Por trás de todo bebê existe uma mãe

Quando você está cuidando de um bebê o melhor a fazer é se entregar a esse momento. Ao momento presente.

Viver cada segundo com a maior presença possível porque o bebê, principalmente  o recém-nascido, não tem dia nem tem hora, ele demora pra diferenciar o dia da noite, ele está ali completamente entregue.

Ele recém chegou a esse mundo e quem está ali com ele precisa dessa entrega para conseguir se conectar com esse serzinho.

E pra se entregar é necessário se permitir. Se permitir entrar nessa dança pois assim acontece uma linda conexão.

Geralmente (quase sempre) quem está ali vivendo essa conexão com o bebê é mãe, por isso essa mãe que está se doando em presença física e emocional precisa receber isso também. Apoio físico e emocional.

A mãe, assim com o bebê, também fica sem dia nem hora, e portanto não tem como ela cumprir horários, estabelecer uma rotina rígida, não tem como exigir muita coisa dessa mãe.

O que ela precisa é apoio. Apoio. Apoio. Apoio.

 

bebê mãe maternidade

 

Porque quando uma mãe não tem apoio o bebê responde instantaneamente. E o bebê sinaliza mesmo, ele é sensorial.

O que um bebê pequeno precisa para se sentir pleno e seguro é estar com sua mãe. É na mãe que ele se conecta com uma profunda sensação de plenitude e bem estar. Ali ele se sente inteiro.

Então se você convive com um bebê saiba que ali existe uma mãe.

Olhe para essa mãe. Perceba essa mãe. Apoie essa mãe. Escute essa mãe. Faça algo por essa mãe.

Contribuir com essa jornada para que a mulher mãe consiga se entregar a esse momento da melhor forma possível será muito mas muito gratificante para esse bebê. E poderá se tornar mais leve pra mãe também.

Porque sabemos que cuidar de um bebê é tarefa para os fortes.

Cuidar de um bebê é cuidar do mundo.

Com amor,

Roberta Arend

ps: texto escrito por uma puérpera em pleno tsunami puerperal.

Compartilhar

Roberta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *